segunda-feira, 27 de novembro de 2017



BENFICA ABRE ESCOLA DE FORMAÇÃO DE 

JOGADORES EM MAPUTO


O Benfica vai abrir, em Janeiro do próximo ano, uma escola de formação de jogadores na cidade de Maputo. A mesma é resultado da cooperação existente entre o clube e a Pro Sport.





Numa primeira fase, segundo escreve o jornal Domingo, a escola funcionará com 300 crianças, com idades que variam entre três aos dezasseis anos. O projecto visa formar novos talentos que poderão alimentar os clubes nacionais. Contudo, não se descarta a possibilidade de virem a transferir-se para o clube emblemático de Lisboa.

Dados avançados por Hugo Leal, responsável pelos Projectos de programa de desenvolvimento desportivo, neste momento os associados estão numa campanha de promoção da marca, estando a intervir nas escolas onde se encontra o seu grande público.

Hugo Leal disse ainda que a escola não possui infraestruturas próprias. Para o efeito, foi rubricado um acordo de quatro anos com algumas instituições de ensino, assim como desportivas do país, das quais a Universidade Eduardo Mondlane (UEM) e o Clube Desportivo de Maputo. O acordo visa permitir a utilização das suas infraestruturas.

«Vamos aproveitar as infraestruturas da UEM e procurar fazer uma ligação com o seu quadro que lida com a área de formação de desporto. Queremos aproveitar o sistema deles, então, a equipa técnica será integrada neste programa».

Entretanto, encontra-se no país, desde semana finda, uma equipa de técnico do Benfica a fazer a divulgação do projecto, que se acredita que venha a alavancar o processo de formação dos futuros representantes da Selecção Nacional.

Aliás, domingo soube que os técnicos terão, igualmente, a missão de descobrir talentos nos torneios entre escolas e juvenis da cidade de Maputo. Estes poderão beneficiar de bolsas. No entanto, o encarregado que decidir levar o seu filho para a escola vai pagar uma taxa.


Hugo Leal disse ainda que nos próximos anos o projecto vai se estender para outras partes do país. «Vamos chegar a outros distritos, mas queremos ir em parte, o nosso contrato tem esses objectivos em vista».