domingo, 8 de abril de 2018

HOJE FAZ ANOS

SOKOTA


Šokota assinou contrato com o FC Porto depois de sair do SL Benfica, onde jogou entre 2001 e 2005. Antes jogou quatro épocas no seu país de origem no Dinamo Zagreb e foi o melhor marcador do campeonato croata em 2000 e 2001. Šokota jogou três jogos pela selecção nacional da Croácia no Euro 2004 em Portugal. No total já conseguiu um total de oito internacionalizações e dois golos pela Croácia.



No final de 2004, e após recusar todas as propostas de renovação de contrato por parte do Benfica, Šokota foi relegado para a equipa B (equipa de reservas), onde acabou por jogar o resto da época de 2004/2005. Em Junho de 2005, depois do seu contrato com o Benfica finalmente acabar, assinou com os eternos rivais FC Porto a custo zero. Šokota tem sido perseguido por lesões graves desde que joga em Portugal, tendo realizado quatro intervenções cirúrgicas. Depois de assinar pelo FC Porto, a sua primeira lesão aconteceu no início da época 2005/2006, tendo apenas voltado a jogar um jogo oficial na última jornada na Liga Portuguesa dessa época. No início da pré-época 2006/2007 sofreu outra lesão grave tendo voltado a jogar apenas em 4 de Fevereiro de 2007, entrando como substituto na derrota em casa do FC Porto frente ao Estrela da Amadora por 0-1.



Em Março de 2006 assina pelo clube do coração, o NK Dinamo Zagreb, pondo assim fim a aventura portuguesa, onde demonstrou qualidade mas nunca conseguiu fugir ao azar das lesões.


Em Julho de 2009 Šokota mudou-se para a Liga Belga, assinando um contracto com o Lokeren.

Em Agosto de 2010 foi emprestado ao Olimpija Ljubljana para a temporada 2010/2011.


MOMENTOS



sábado, 31 de março de 2018

HOJE FAZIA ANOS

EUGÉNIO SALVADOR

ETERNOS E SAUDOSOS PARABÉNS

EUGÉNIO SALVADOR




EUGÉNIO SALVADOR Marques da Silva. Actor, Bailarino, Dramaturgo e Encenador português. Nasceu em Lisboa, a 31-03-1908, e faleceu a 01-11-1992. Era filho de Luís Salvador Marques da Silva e de Eugénia Maria Dias. Foi futebolista do Sport Lisboa e Benfica, tendo alinhado nas camadas jovens e nas reservas do clube.



Optou depois por seguir a carreira de Actor, tendo completado o Curso do Conservatório. Em 1928, terminou o Curso de Arte de Representar do Conservatório Nacional de Lisboa. Estreou-se na peça O Grão de Bico, no Teatro Maria Vitória. Além de ter actuado em quase todos os teatros portugueses como encenador, director de cena, bailarino, ensaiador coreográfico e artista de variedades, fez, também, várias digressões no estrangeiro (Brasil, Moçambique, Angola) e outros países, integrado em diversas companhias.

Eugénio Salvador Trabalhou amiudamente em cinema, tendo-se estreado em Lisboa, Crónica Anedótica (1930), de Leitão de Barros, a que se seguiram prestações em Maria Papoila (1937), também de Leitão de Barros, Fado, História Duma Cantadeira (1948) e Sonhar É Fácil (1951), ambos de Perdigão Queiroga, Eram Duzentos Irmãos (1952), de Constantino Esteves e A Maluquinha de Arroios (1970), de Henrique Campos. Permaneceu activo no Teatro de Revista até 1988, ano em que se retirou definitivamente. As suas últimas aparições artísticas foram feitas no programa televisivo Herman Circus (1990) e no filme Aqui D’El-Rei (1992), de António Pedro Vasconcelos.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Almada (Freguesia da Charneca de Caparica), Amadora, Cascais (Freguesia da Parede), Lisboa (Freguesia de Carnide, Edital de 07-09-1993), Montijo, Seixal, Odivelas (Freguesia da Pontinha), Oeiras


Épocas  completas no Benfica: 6
Total de Jogos pelo Benfica: 43
Total  de Golos pelo Benfica: 18
Títulos pelo Benfica: 2

É de salientar, a titulo de curiosidade que foi ele quem marcou o primeiro golo no estádio das Amoreiras.


HOJE FAZ ANOS

KAREL POBORSKY

PARABÉNS




Karel Poborsky. Jindinchuv/Hadec, República Checa. 30 de Março de 1972. Avançado.
Épocas no Benfica: 4 (1997/2001). Jogos: 112. Golos: 17. Outros clubes: Budejovice, V. Zizkov, Slavia Praga, Manchester United, Lazio e Sparta Praga. Internacionalizações: República Checa.
A seu respeito, espera a família benfiquista que tenha sido o último dos abencerragens. O último dos grandes jogadores que, sarcasticamente, nada ganharam no clube. Karel Poborsky participou em quatro temporadas de luto competitivo. Mesmo com aqueles pés chamejantes. Mesmo com aquele jeito de máquina de costura, do tempo das avozinhas, mas dotada de inteligência, com que furava o pano defensivo dos oponentes. No seu ar de artista, combinação de jogador efusivo e profano, parecendo dizer, tal como um dia Michael Laudrup, que “no futebol não há nada pior do que correr atrás de uma bola”. Com ela, então sim, tínhamos homem.



Poborsky havia entrado, em 1996, para a história do futebol português. Melhor, para a contra-história. Com aquele chapéu de aba larga, trocista, que liquidou Vítor Baia e as esperanças de Portugal no Euro da Inglaterra. A mal da Nação. A bem da sua República Checa, cujas cores defendeu ao longo dos anos, através de grandes desempenhos, atingindo a excelsitude da centena de internacionalizações.
Proveniente do Manchester United, chegou ao Benfica, na presidência de João Vale e Azevedo, decorria a época de 96/97. Na mesma semana, quase sem se treinar, apresentou-se na Antas, frente ao FC Porto. Perdeu o Benfica (2-0), mas o treinador Graeme Souness ficou agradado e o checo tornou-se num dos inapeáveis do onze. Ainda na primeira temporada, já em plena segunda volta do Campeonato, participou com golos nos triunfos perante o Sporting e o FC Porto, dando mostras de uma especial queda para as jornadas mais mediáticas.



Fez 112 encontros com a camisola garrida, apontando 17 tentos. Depois de Souness, trabalhou sob o comando de Shéu, Jupp Heynckes, José Mourinho e Toni. Em ano de final de contrato, despediu-se no Algarve, num embate da Taça de Portugal, com o Louletano. Três dias tinha apenas o novo século.
Karel Poborsky chegou a ser a imagem de marca do Benfica. Exemplo da qualidade, virtuosismo. Os adeptos dele se enamoraram, imputando-lhe a responsabilidade de construir a diferença. Por norma, não defraudou. Pena que o edifício colectivo acusasse insuficiências várias. Por isso, no Benfica só espreitou à janela do sucesso, que para mais não davam os frágeis alicerces. Assim percorreu sem glória a estrada vermelha, mas numa condução que deixou resquícios de beleza.


POBORSKY



THE LEGENDARY